terça-feira, 15 de novembro de 2011

O feitiço do sapo", Eva Furnari

A história infantil, O feitiço do sapo de Eva Furnari, é uma obra que remete aos contos populares de magia através da história de Zóio, um dos personagens principais e morador da cidade de Piririca da Serra, que tem a mania de praticar “boas ações”. Uma vez, o rapaz, com o intuito de ajudar Carmela, 'a solteirona da cidade', a encontrar um príncipe encantado e, pensando que qualquer sapo poderia assim se transformar, vai até a beira do rio, pega um sapo verde e o coloca numa caixa na porta da casa de Carmela. A moça ingênua e feliz, beija o sapo, mas nada acontece. A partir disso, as aventuras começam a se desenrolar, pois Carmela leva o anfíbio até o professor Boris, um cientista que, não conseguindo desfazer o feitiço, chama seu primo, o mago Druilo, para auxiliá-lo. Já Druilo perde seu chapéu mágico que irá cair nas mãos da bruxa Zelda. Muitas confusões então acontecem no desenrolar da história e Carmela acaba acreditando que seu verdadeiro príncipe encantado é nenhum outro, senão Druilo. No final, os dois se apaixonam e Zóio fica feliz por ter feito mais uma de suas boas ações.


Comentários a respeito da obra:

Percebe-se uma grande marca de intertextualidade com os contos tradicionais, pelo resgate que essa obra faz da história do sapo que vira príncipe, bem como explora motivos da imaginação popular como o mago de chapéu encantado e a bruxa malvada. Dessas características, alguns traços são preservados e outros parafraseados. Como se sabe, os contos de fadas surgiram a partir de narrativas primitivas, contadas oralmente de geração em geração. Normalmente, os contos de fadas começam com marcas indefinidas de tempo e  espaço: “antigamente”, “era uma vez”, "em terras e reinos distantes", mas este não é o caso de "O Feitiço do Sapo", que assim se inicia: “Todo lugar sempre tem um doido. Piririca da Serra tem Zóio”. Concomitante, a autora promove a aproximação do leitor com um local que sabemos não mais pertencer aos contos tradicionais. Eva Furnari talvez aponte para um lugar mais real do que o imaginado, ao escolher um nome com jeito de cidade brasileira: Piririca da Serra. O elemento verossímil é justamente “da Serra”, pois existem cidades como Itapecerica da Serra, Natividade da Serra, entre outras. Já o elemento inverossímil , Piririca, faz alusão a algo divertido, sapeca, engraçado. O nome Piririca da Serra pode evocar a uma cidade onde ocorrem episódios divertidos e vivem, perfeitamente em harmonia, um cientista maluco e uma bruxa. Também em oposição aos contos tradicionais, em que a narrativa ocorre em lugares jamais detalhados com precisão, temos até mesmo um mapa da cidade, nas primeiras páginas do livro que leva o leitor a conhecer, antecipadamente, as casas das personagens.

Quem é Eva Furnari?

Eva Furnari (Roma, Itália 1948). Autora de literatura infantil, ilustradora, professora e arquiteta. Em 1950, a família muda-se para o Brasil, instalando-se em São Paulo. Formou-se em arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAU/USP. Participa de diversas exposições de desenhos e pinturas. Torna-se professora no Atelier de Artes Plásticas do Museu Lasar Segall, em São Paulo. O desenho é seu primeiro meio de expressão artística, mas, aos poucos, introduz o texto em seus trabalhos, como na tira da Bruxinha que publica semanalmente, durante sete anos, no suplemento infantil do jornal Folha de S. Paulo. Essa mudança ocorre lentamente, com brincadeiras de rimas e travalínguas, evoluindo, mais tarde, para valorizar igualmente ilustração e texto. Sua obra, composta de mais de 50 títulos, com importantes premiações, compõe-se de pequenos livros que, com uma linguagem lúdica, construída com lápis de cor e tintas, discute conflitos, problemas e questões da experiência humana. Tem livros publicados na Itália, México, Equador, Guatemala, Colômbia e Bolívia.

Referências Bibliográficas:

http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_lit/index.cfm?fuseaction=biografias_texto&cd_verbete=5780
http://www.bibliotecaevafurnari.com.br/ie/index.php

Grupo 4 - Contos de fadas na atualidade

Um comentário:

  1. As fontes, por favor. Os comentários sobre a obra dela são de vosso punho? Sobre ela não é, certo? [prof. Marciano]

    ResponderExcluir