domingo, 23 de setembro de 2012

O Príncipe dos Poetas e a Literatura Infantil


 “Ao contrário dos seus gloriosos companheiros, que tatearam com indecisão a cidadela da Forma, Bilac, ao estrear com seu volume “Poesias” aos vinte e três anos, se apresentou no maior rigor da nova escola, e, no entanto, com uma fluência na linguagem e na métrica, uma sensualidade à flor da pele, que o tornavam muito mais acessível ao grande público.” (Manuel Bandeira)


Olá leitores, nesse post falaremos sobre o “príncipe dos poetas” o querido Olavo Bilac.
 
Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac (1865-1918) se encaixa no Parnasianismo. Foi cronista, jornalista, contista, autor de livros didáticos. Sem dúvidas, o maior poeta parnasiano brasileiro.
 
Também pensando na biografia do autor que é muito extensa e para quem não conhece e gostaria de saber um pouco sobre esse “príncipe”, clique aqui: http://migre.me/aOPjZ.
 
Bilac começou a escrever literatura destinada aos pequenos no inicio do séc. XX. O que priorizava nessa literatura era transmitir valores ufanistas. Sua função residiria no fato de ensinar ao leitor normas de conduta e comportamento, bem como a obediência, o recato e o amor à pátria.
 
Aqui no blog mesmo já tivemos postagens sobre a poesia de Olavo Bilac, para saberem mais sobre a questão onfiram aqui: http://migre.me/aONGU. Nesse post foi analisado o poema “A Pátria” e também foi discutido um pouco sobre literatura infantil, educação e ideologia, vale a pena conferir.
 
Percebe-se que na produção literária de Bilac há uma postura nacionalista e plenamente escolar. A crítica literária já havia acentuado tal facetas direcionadas ao leitor em formação. Veremos então como o autor definia sua visão da literatura infanto-juvenil:

“textos que exigiriam total cuidado e excessivo trabalho do ficcionista, uma vez que se dirigiria a sujeitos sem experiências, com um repertório ainda vago e possivelmente incapazes de compreender as nuances do poema ou da narrativa a ser examinada”.

Olavo Bilac também crítica o material que circula no país que eram formados, basicamente, pelos contos de fadas europeus.
 
Outro perigo: a possibilidade de cair no extremo oposto – fazendo um livro ingênuo demais, ou, o que seria peor, um livro, como tantos há por aí, cheio de histórias maravilhosas e tolas que desenvolvem a credulidade das crianças, fazendo-as ter medo de cousas que não existem (BILAC, 1904, p. 09).

O autor em questão repudiava os contos de fadas, no link abaixo vocês poderão ter acesso a um trabalho acadêmico que fala um pouco sobre a obra destinada ao público infantil de Bilac: http://migre.me/aOVRO.
 
As obras do autor são marcadas pelo culto às origens e a construção de heróis locais; o intelectualismo; tradicionalismo cultural; e o moralismo, pressupondo que a literatura tenha como missão abarcar elementos atitudinais, como honestidade, solidariedade e retidão de caráter.
 
O livro “Literatura Infantil”, de Bilac, foi sua obra mais voltada à infância. Abaixo fotos dos livros do autor voltados aos leitores em formação.

 
 
Acima,  a primeira edição publicada do livro.



Abaixo o poema "A Boneca", contido no livro exposto acima:


A Boneca
 
Deixando a bola e a peteca,
Com que inda há pouco brincavam,
Por causa de uma boneca,
Duas meninas brigavam.

:
Dizia a primeira: "É minha!"
—  "É minha!" a outra gritava;
E nenhuma se continha,
Nem a boneca largava.

:
Quem mais sofria (coitada!)
Era a boneca. Já tinha
Toda a roupa estraçalhada,
E amarrotada a carinha.

:
Tanto puxaram por ela,
Que a pobre rasgou-se ao meio,
Perdendo a estopa amarela
Que lhe formava o recheio.

:
E, ao fim de tanta fadiga,
Voltando à bola e à peteca,
Ambas, por causa da briga,
Ficaram sem a boneca ...
                                Olavo Bilac 



No livro “Literatura Infantil” contém mais de 20 poesias com todos os traços já descritos que o autor usava para escrever para os pequenos.
 
Aqui http://migre.me/aOWq6 vocês poderão ter acesso a todos os poemas contidos no livro citado.
 
Encontramos um vídeo na internet da editora Empório que fabricou o livro “Poesias Infantis” de Bilac, esse vídeo mostra um pouco da história do autor e também do livro em questão, é interessante assisti-lo, é bem curtinho: http://migre.me/aOWE3.
 
Leitores, isso é o que nós tínhamos para compartilhar com vocês sobre o “príncipe dos poetas, esperamos que vocês tenham gostado.

Abraços e boa leitura!
 
 

Referências Bibliográficas

BILAC, Olavo. Poesias Infantis. RJ: Francisco Alves. 1929.
 
TEIXEIRA,Luiz Fernando. Olavo Bilac, Monteiro Lobato e Ana Maria Machado: três discursos sobre literatura infantil e juvenil? (2010). Disponível em: http://www.cielli.com.br/downloads/135.pdf. - Acesso em: 22, set. 2012.

GT 2: Autores Consagrados 

2 comentários:

  1. Ajustei as fontes conforme as regras do blog (leiam-nas com atenção!). Corrigi alguns deslizes. Sugestão: discorrer sobre as diferentes concepções de literatura infantil dos autores estudados por Teixeira - nas referências, o sobrenome vem primeiro! Eu arrumei. (prof. Marciano)

    ResponderExcluir
  2. Ah! Também altereio título tornando-o mais informativo, ou seja, mais esclarecedor do conteúdo do texto. (prof. Marciano)

    ResponderExcluir